• Início ♥
  • Sobre ♥
  • Contato ♥
  • Layouts ♥
  • Resenhas ♥
  • Parcerias ♥
  • Rádio ♥
  • 21 agosto, 2016

    Resenha: Nosferatu - Joe Hill


    Nosferatu do autor Joe Hill, é um livro do gênero terror que foi publicado no Brasil pela Editora Arqueiro, que gentilmente nos cedeu esse exemplar.


    O livro tem um total de 614 páginas divididas em vários capítulos. Os capítulos não são longos, o que deixa a leitura mais fluida. A tradução foi feita por Fernanda Abreu.



    A diagramação desse livro está incrível, começando desde a capa que está linda, e tem tudo a ver com o conteúdo da história. As páginas são amareladas, e a fonte tem um bom tamanho. O livro está repleto de ilustrações lindas do Gabriel Rodriguez.


    Sinopse: Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa sua estranha capacidade, pois sabe que ninguém acreditaria. Ela própria não entende muito bem.
    Charles Talent Manx também tem um dom especial. Seu Rolls-Royce lhe permite levar crianças para passear por vias ocultas que conduzem a um tenebroso parque de diversões: a Terra do Natal. A viagem pela autoestrada da perversa imaginação de Charlie transforma seus preciosos passageiros, deixando-os tão aterrorizantes quanto seu aparente benfeitor.
    E chega então o dia em que Vic sai atrás de encrenca... e acaba encontrando Charlie.
    Mas isso faz muito tempo e Vic, a única criança que já conseguiu escapar, agora é uma adulta que tenta desesperadamente esquecer o que passou. Porém, Charlie Manx só vai descansar quando tiver conseguido se vingar. E ele está atrás de algo muito especial para Vic.
    Perturbador, fascinante e repleto de reviravoltas carregadas de emoção, a obra-prima fantasmagórica e cruelmente brincalhona de Hill é uma viagem alucinante ao mundo do terror.


    Nosferatu do autor Joe Hill é um livro do gênero terror que foi publicado no ano de 2014 pela Editora Arqueiro.
    O livro conta a história de Victoria McQueen uma criança que tem um misterioso dom: Com sua bicicleta Raleigh, que ganhou de presente do pai, ela consegue acessar uma ponte que ela chama de ponte do atalho. Essa ponte a leva a qualquer lugar que ela quiser e a faz encontrar coisas perdidas.
    Vic, não conta a ninguém sobre a sua especial habilidade, pois teme que ninguém acredite nela, uma vez que, até ela tem dúvidas sobre isso ser real ou não.

    Assim como Vic, Charles Talent Manx, também tem um dom especial. Com seu Rolls-Royce, ele tem o poder de levar crianças para a terra do natal! A terra do natal, é uma espécie de parque de diversões onde todos os dias são natal, um lugar cheio de perversão criado pela imaginação de Manx.
    Conforme viajam pelas estradas ocultas da imaginação de Manx, até a terra do natal, as crianças, vão ficando cada vez mais cruéis e aterrorizantes.

    Passados alguns anos, já em sua adolescência, em um determinado dia, Vic briga com os pais e sai com raiva em busca de sua Raleigh, ela sobe na bicicleta com o pensamento de encontrar encrenca e é nesse dia que ela encontra Charles Manx.
    Foi um encontro completamente assustador e aterrorizante para Victoria, que depois de muito lutar conseguiu escapar das garras de Manx.
    Vários anos se passam depois desse encontro e Vic que é agora uma adulta, tenta de todas as maneiras esquecer o que passou com ela naquele dia.
    Mas Charles Manx está de volta a estrada e busca vingança contra Victoria McQueen, e só vai desistir quando finalmente conseguir sua vingança.

    "Quando se tinha um veículo capaz de levar você a qualquer lugar, não se podia abandoná-lo."

    Desde que vi esse livro sendo lançado pela Arqueiro em 2014, que a premissa dele me atraiu e eu me senti tentada a conhecer essa história, mas confesso que o número de páginas do livro me assustou na época e eu acabei desistindo da leitura.
    Ano passado eu li Amaldiçoado, e esse foi meu primeiro contato com a escrita do autor Joe Hill. Eu gostei muito do livro e fiquei em êxtase para ler mais alguma obra do autor, e depois de ler tantas resenhas positivas sobre Nosferatu, eu acabei decidindo esse ano que iria realizar essa leitura.

    Nosferatu é todo narrado em 3° pessoa, o que nós deixa com uma boa visão de todos os personagens envolvidos nessa história.
    A narrativa do autor é completamente envolvente e me fez grudar nesse livro desde a primeira página. 
    O livro é grande e a história em si é cheia de detalhes, mas nem por isso ela se tornou monótona em algum momento. Pelo contrário, essa foi uma leitura muito gostosa e envolvente, da qual eu não mudaria nada.

    "É claro que ele iria voltar... quem quer que O Espectro fosse. Não teria deixado o carro ligado se não fosse voltar e, quando chegasse, ela precisava ter ido embora."

    Os personagens dessa história, foram muito bem construidos pelo autor. Vic, que em tese é a mocinha da história, é o tipo de personagem que passa a vida inteira fazendo burradas e que tem um comportamento agressivo que provavelmente não vai te fazer simpatizar muito com ela. Eu mesma, não simpatizei nem um pouco com ela, e tive raiva das atitudes dela em muitos momentos, mas mesmo assim torci pela personagem.
    Charles Manx é um personagem incrível, com ele Hill definitivamente reinventou a definição de vampiros. Manx é um vampiro que não se alimenta de sangue, mas sim da vida das crianças que ele sequestra.
    Fora Manx e Vic, temos ainda personagens secundários como, por exemplo, Bing Partridge que engrandecem ainda mais essa história.

    Nosferatu, não foi para mim em nenhum momento um livro assustador, mas mesmo assim eu o considero uma obra prima do terror, e que eu acredito irá agradar os amantes do gênero.
    O livro está repleto de referências a cultura Pop, seja através de livros, músicas, filmes ou séries que são citadas ao decorrer da história.
    Uma história repleta de fantasia, de coisas assustadoras e que te fará em alguns momentos se questionar, se o vilão é realmente tão vilão assim.
    Recomendo expressamente esse livro a todos os leitores sem exceção! Joe Hill presenteou seu leitor com uma história fantástica e com uma escrita impecável.

    "Eu não sei muito sobre o Espectro, só que ele é um homem velho com um carro antigo. E a sua faca é o carro. Só que ele usa a faca para cortar gargantas. Leva crianças para passear no automóvel e faz coisas com elas. Usa as crianças...feito um vampiro...para continuar vivo."

    Classificação:



    11 agosto, 2016

    Resenha: Noites Roubadas - Rebecca Maizel


    Noites Roubadas é o 2° livro da série Dias Infinitos, escrito pela autora Rebecca Maizel, e foi publicado no Brasil pela Galera Record, que gentilmente nos cedeu esse exemplar.


    O livro tem um total de 383 páginas, divididas em 27 capítulos mais epílogo. Os capítulos são curtos o que deixa a leitura fluida. A tradução foi feita por Glenda D'Oliveira.


    A diagramação do livro está bem fofa, com páginas amareladas, um bom tamanho de fonte e também de margens e espaçamentos.


    Sinopse: Um novo ano começa no Internato Wickham. Mas as coisas não são tão simples como parecem...
    No ano anterior, o grande amor da vida de Lenah Beaudonte morreu ao conduzir um ritual para torná-la humana outra vez. Agora, ela executou uma cerimônia idêntica para o amigo Vicken, sem nenhuma consequência drástica para nenhum dos dois. A poderosa mágica usada no culto fez mais que tornar Vicken humano. Ela atraiu alguém a Lover’s Bay... Alguém que não pertence à pequena e charmosa cidade. Ela quer o ritual; quer Lenah morta. E irá matar os amigos de Lenah um a um, até que a ex-vampira lhe entregue a fórmula. Como se não bastasse, o ritual também despertou a ira dos Aeris, os quatro elementos e mais fundamentais poderes da Terra. O resultado é uma punição capaz de esmagar o coração de Lenah... Ela deve fazer uma impossível escolha: amor ou vida; presente ou passado; anseio ou realidade.


    Noites Roubadas é o 2° volume da série Dias Infinitos da Rebecca Maizel, e foi recentemente lançado pela Editora Galera Record.
    Nesse 2° livro temos o andamento dos fatos que ocorreram no final do 1° livro Dias Infinitos.
    Lenah incrivelmente sobreviveu ao ritual que fez para ajudar seu amigo Vicken, mas o fato de ela ter usado uma magia tão poderosa não irá passar sem consequências, já que isso acabou atraindo alguém a Lover's Bay... Alguém que quer o ritual e que para isso não se importará em matar todos que cruzarem o seu caminho.

    "Sim, Lenah Beaudonte. Você e Rhode Lewin nasceram sob as mesmas estrelas. O curso de suas vidas os trouxe aqui... juntos, como almas gêmeas."

    Mas não foi apenas essa presença que o ritual atraiu até Lovers Bay, ela trouxe também a presença dos Aeris, os quatro elementos mais poderosos da terra.
    Lenah não irá passar impune pelo ritual que fez e se verá com uma difícil escolha a fazer. Além disso ela acaba fazendo uma descoberta que a deixa completamente devastada. E acaba sendo punida de uma maneira que a deixa de coração esmagado.
    O que irá dificultar ainda mais na escolha que Lenah deve fazer. Seguir seu coração ou fazer o que é melhor para seus amigos?

    O livro é todo narrado em 1° pessoa pela Lenah, então nós ficamos a par de tudo que se passa pela visão dela da história.
    A narrativa da autora continua muito envolvente, nos fazendo ler essa história bem rapidamente.
    Os personagens são os mesmos do 1° livro com a inclusão de mais alguns novos personagens. Assim como no 1° volume, alguns personagens continuam não me convencendo muito, como o Justin por exemplo, que na minha opinião é um personagem bem superficial, assim como algumas amigas da Lenah.

    "O Tempo não passa para os mortos. Depois de morrer, não conseguimos acompanhar a evolução do tempo. Ele é o mestre dos vivos. Para os mortos, para os vampiros, é um vespeiro. Perigoso, algo a se evitar; sempre sussurrando em seus ouvidos"

    A história continua bem interessante e esse livro está bem mais sangrento que o anterior, então se preparem para muitas mortes ao decorrer da leitura.
    Lenah terá que enfrentar um forte grupo de vampiros, em sua condição de humana e para isso ela irá contar com a ajuda de seus amigos.
    Ao decorrer da história, Lenah se questiona muito sobre a pessoa que ela era quando era uma vampira, e sobre as atrocidades que ela cometeu, o que a faz se questionar sempre da decisão que deve tomar.

    Para quem curte histórias sobrenaturais com vampiros, magia e uma dose de romance, essa é sem dúvidas uma boa série para acompanhar.
    A série tem uma história interessante, uma narrativa cativante e envolvente que irá te prender a essa leitura.
    O 1° livro Dias Infinitos, em minha opinião foi melhor que esse 2° livro, mas mesmo assim Noites Roubadas também foi uma boa leitura.
    O gancho que a autora deixou para o próximo livro da série foi muito bom! Eu gostei bastante do final de Noite Roubadas, e estou super curiosa e ansiosa para o que nós aguarda nesse 3° livro, que eu espero que seja lançado ainda esse ano.

    "Todos os nossos erros permanecem instalados em nossos corações? Podemos mesmo nos libertar? Aquilo que está gravado em pedra pode ser desfeito. Pois a pedra não pode prevalecer.
    Até a pedra pode ser quebrada."

    Classificação:


    01 agosto, 2016

    Resenha: Millennium #02 - A Menina Que Brincava Com Fogo - Stieg Larsson


    A Menina Que Brincava Com Fogo é o 2° livro da série Millennium, escrita pelo Sueco Stieg Larsson e publicada no Brasil pela Editora Companhia das Letras.


    O livro tem um total de 608 páginas e está dividido em prólogo mais 4 capítulos. Os capítulos são bem grandes, mas tem várias subdivisões, o que ajuda a não tornar uma leitura cansativa. A tradução foi feita por Dorothée de Bruchard.


    A diagramação está bem agradável com um bom tamanho de fonte, páginas amareladas, bons tamanhos de margens e espaçamentos e uma capa muito linda!


    Sinopse: "Não há inocentes. Apenas diferentes graus de responsabilidade", raciocina Lisbeth Salander, protagonista de A menina que brincava com fogo, de Stieg Larsson. O autor - um jornalista sueco especializado em desmascarar organizações de extrema direita em seu país - morreu sem presenciar o sucesso de sua premiada saga policial, que, somente na Europa, já vendeu mais de 6,5 milhões de exemplares. Nada é o que parece ser nas histórias de Larsson. A própria Lisbeth parece uma garota frágil, mas é uma mulher determinada, ardilosa, perita tanto nas artimanhas da ciberpirataria quanto nas táticas do pugilismo, que sabe atacar com precisão quando se vê acuada. Mikael Blomkvist pode parecer apenas um jornalista em busca de um furo, mas no fundo é um investigador obstinado em desenterrar os crimes obscuros da sociedade sueca, sejam os cometidos por repórteres sensacionalistas, sejam os praticados por magistrados corruptos ou ainda aqueles perpetrados por lobos em pele de cordeiro. Um destes, o tutor de Lisbeth, foi morto a tiros. Na mesma noite, contudo, dois cordeiros também foram assassinados: um jornalista e uma criminologista que estavam prestes a denunciar uma rede de tráfico de mulheres. A arma usada nos crimes - um Colt 45 Magnum - não só foi a mesma como nela foram encontradas as impressões digitais de Lisbeth. Procurada por triplo homicídio, a moça desaparece. Mikael sabe que ela apenas está esperando o momento certo para provar que não é culpada e fazer justiça - a seu modo. Mas ele também sabe que precisa encontrá-la o mais rapidamente possível, pois mesmo uma jovem tão talentosa pode deparar-se com inimigos muito mais formidáveis - e que, se a polícia ou os bandidos a acharem primeiro, o resultado pode ser funesto, para ambos os lados. A menina que brincava com fogo segue as regras clássicas dos melhores thrillers, aplicando-as a elementos contemporâneos, como as novas tecnologias e os ícones da cultura pop. O resultado é um romance ao mesmo tempo movimentado e sangrento, intrigante e impossível de ser deixado de lado.


     A Menina Que Brincava Com Fogo 2° livro da ex-trilogia e atual série Millennium, se passa dois anos depois dos acontecimentos que marcaram o 1° livro Os Homens que Não Amavam as Mulheres e nós acompanhamos mais uma vez os personagens Lisbeth Salander e Mikael Blomkvist.
    A revista Millennium está prestes a lançar uma reportagem bombástica que fala sobre o tráfico de mulheres na Suecia, um grande escândalo que envolve desde repórteres, policiais e até juízes.

    Quando a reportagem estava prestes a ser finalizada os dois autores dessa denuncia são friamente assassinados no apartamento em que moravam e como se isso tudo já não fosse demais para a cabeça de Mikael Blomviskt, que fica muito abalado, ele fica completamente chocado a saber que a principal suspeita do crime é ninguém menos que Lisbeth Salander.
    As impressões digitais de Lisbeth são encontradas na arma do crime, além disso na mesma noite desse crime, uma terceira pessoa que tem ligação com Salander também é assassinada com a mesma arma o que a tornam a principal suspeita dos homicídios.

    Lisbeth está sendo procurada por toda a polícia por triplo homicídio e está desaparecida. Mikael não acredita na culpa de Salander, já que a conheceu bem no caso anterior que trabalharam juntos. Então Blomkvist decide se empenhar junto com todos da Millennium em descobrir quem matou seus dois amigos e porque, e assim inocentar Lisbeth de todas as acusações.
    Na busca pela verdade tanto ele quanto Salander, acabam se deparando com um cenário cheio de perigos e de segredos.
    Segredos que envolvem um grande esquema de corrupção com o envolvimento de jornalistas, promotores, juízes e policiais. E que acabam tendo uma ligação com o passado sombrio de Lisbeth.

    O livro é todo narrado na terceira pessoa, com o ponto de vista alternando entre a Lisbeth e o Mikael. Assim como no 1° livro, a narrativa continua maravilhosa e nos faz não querer desgrudar das páginas enquanto não desvendamos o mistério.
    O autor tem uma narrativa bem descritiva, então preparem-se para uma história cheia de detalhes e muito bem construida.
    A ação só começa realmente na metade do livro, e a partir desse momento a leitura tem um ritmo alucinante.
    Na 1° metade do livro o autor vai construindo os fatos que desencadearam os grandes acontecimentos da história.

    Não pensem que pelo fato de a primeira parte da história não ter tanta ação, a leitura se torna chata ou cansativa, pois definitivamente não é! A história inteira é interessante e muito bem desenvolvida, de uma maneira que nós faz viciar na leitura.
    Os personagens continuam maravilhosos, e muito bem desenvolvidos. A Lisbeth é uma personagem maravilhosa e esse livro só fez com que eu me apaixonasse ainda mais pela personalidade e inteligência sensacionais que essa mulher tem. Lisbeth Salander é sem dúvidas uma das personagens femininas mais icônicas e incríveis da literatura.

    Eu gostei muito desse 2° livro, foi uma leitura sensacional, e apesar de ter achado o 1° livro melhor, esse não deixa a desejar de maneira alguma.
    O livro tem uma temática mais forte, portanto não é recomendado para todo o tipo de público. Mas para quem está procurando por uma leitura fabulosa, com uma heroína completamente diferente de todas e com uma trama instigante e muito bem desenvolvida, onde todas as pontas se encaixam perfeitamente, recomendo expressamente esse livro para você!
    Fica então a dica de um incrível romance policial, para todos que gostem do gênero e que apreciem um livro sensacional e repleto de críticas a sociedade e ao machismo.

    "Inocentes não existem. Em compensação, existem diferentes níveis de responsabilidade."

    Classificação: